HISTÓRICO


A ORIGEM
Era o início de século XIX. A região entre os rios Paraná, Paranapanema e Peixe, era habitada por grupos de índios Guaranis, Xavantes e Caingangues. O primeiro desbravador do sertão do Paranapanema foi o senhor José Teodoro de Souza, que se apossou de uma porção de terra. Com a convocação da guerra do Paraguai, muitos mineiros migraram para o Oeste, povoando a região. A fundação da cidade de Regente Feijó ocorreu em 1922, (origem do nome é uma homenagem ao estadista eclesiástico Padre Antônio Feijó), e em 1935 foi elevada à categoria de município. As terras de Caiabu pertenciam ao município de Regente Feijó, e foi no mesmo ano (1935) que o senhor Henrique Pedro Ferreira, morador do município de  Indiana, estabeleceu-se em Caiabu, com o objetivo de cultivar algodão.

FUNDAÇÃO DO POVOADO
A derrubada da mata - inicialmente os agricultores faziam a derrubada da mata com machados e, depois, a limpeza do terreno com técnica herdada dos índios - o fogo, e as atividades agrícolas aliadas à notável fertilidade do solo conquistaram muitos agricultores que se  estabeleceram em Caiabu, formando assim, um núcleo ao qual batizaram como Santo Antônio. O senhor Marzino Machado, foi um dos primeiros agricultores a se instalar no referido núcleo. Marzino ajudou na derrubada da mata, na abertura de ruas e estradas, utilizando enxadas, além de organizar passeios e festas. O tempo passou e ele viria a se tornar Vereador e o primeiro Presidente da Câmara.

CRIAÇÃO DO DISTRITO
O desenvolvimento se expressa na região, e o povoado de Santo Antônio, através do Decreto Lei Estadual nº 14334, de 30 de novembro de 1944,é elevado à categoria de Distrito, pertencente ao município de Regente Feijó. Passa, então, a denominar-se CAIABU.

ORIGEM DO NOME
Há uma lenda em Caiabu, que reza que o nome da cidade originou-se das queimadas.Segundo moradores,  os antigos tinham o hábito de atear fogo sobre a mata derriçada, o que acabava deixando a terra queimada, daí a origem do nome CAIABU, que na língua indígena, do Tupi, significa “Terra Queimada”'.

PIONEIRISMO
Essa época coincide com a vinda para o município, do senhor Tiharu Itimura, proveniente de Álvares Machado, depois de ter comprado uma grande quantidade de terras, onde cultivava algodão. Como o solo era excelente, as colheitas também correspondiam. Isso atraiu muitas famílias que foram morar na fazenda para ajudar na colheita de algodão. O grande número de crianças fez com que o senhor Itimura construísse uma casa, onde durante a semana funcionava uma escola e aos domingos era celebrada uma cerimônia religiosa. Com o passar do tempo o senhor Itimura doou um terreno para a construção da capela e outro para a escola do bairro Graminha. Nesta fazenda, morou durante 49 anos, vindo a falecer em 1993, aos 86 anos.

CRIAÇÃO E EMANCIPAÇÃO DO MUNICÍPIO
Em 30 de dezembro de 1953, através do Decreto Lei Estadual nº 2456, o Distrito é elevado à categoria de Município, com a denominação de Caiabu, desmembrado do município de Regente Feijó. Sua instalação verificou se em 1º de janeiro de 1955.

REGISTROS DO HISTORIADOR – LINHA DO TEMPO
A Delegacia de Polícia de Caiabu foi inaugurada em 1955, sendo o primeiro delegado o senhor Mário Kawano, e como segundo suplente o senhor Jaime José da Silva. É desta data que também constam registros de sepultamento, inaugurando, assim, o cemitério municipal. Naquela época não havia Agências Bancárias no município e o comércio era exercido por 35 estabelecimentos comerciais varejistas. As maiores transações eram feitas com as cidades de Presidente Prudente, Martinópolis e São Paulo. As principais atividades eram a agricultura, a pecuária e a produção de leite. Em 1956, a produção agrícola alcançou níveis muito altos, sendo o algodão o destaque nesta época, quando a população total somava-se 12.725 habitantes, destes, 96% radicados na zona rural. Na década de 1960, foram inauguradas a Agência dos Correios (1960) e a Casa da Agricultura (1961). Em 1970, a população era de 7.041 habitantes, sendo 86% radicados na zona rural. A cidade de Caiabu faz limites com os municípios de Presidente Prudente, Mariápolis, Martinópolis, Regente Feijó e Indiana. Sua área é de 252 km2, sendo que o município, além da sede municipal, conta com os distritos de Esperança D'Oeste e de Iubatinga.

DISTRITO - OURO BRANCO
Com cara de cidade do interior de São Paulo, IUBATINGA ou OURO BRANCO, como é mais conhecido, nem parece Distrito. Aliás, a Associação de Moradores de Iubatinga, já está lutando pela emancipação político-administrativa do distrito, para que ele seja elevado a município. À frente dessa luta, está o Presidente da Associação, o comerciante, Deolindo Batista dos Santos, o “Viola”', 57 anos, e natural do próprio distrito de Ouro Branco, e marido da vereadora, Maria Vilani dos Santos. O processo já está correndo na Assembleia Legislativa. Para tanto, foi realizado um abaixo-assinado pelos moradores do lugar. Ouro Branco ou Iubatinga, como queiram, até parece uma cidade cenográfica para uma novela ou um filme. A paz reina no distrito, onde os moradores sentam-se no banco da Praça da Igreja São João, para descansar ou jogar conversa fora. Esse é o caso do “Seo Viola” e de seus amigos Joaquim Valério, 57 anos, que reside há 54 anos no local, e de Minervino Bispo, 62 anos e há 40 em Ouro Branco. O objetivo da emancipação é proporcionar melhores condições de vida para os moradores do distrito. “É um direito que nós temos, porque sentimos que estamos regredindo, embora os prefeitos fazem o que pode”, diz Viola. E também achamos que o distrito sobrecarrega a prefeitura de Caiabu, que já tem de cuidar de outros, como a Graminha e Esperança D' Oeste, acrescenta o comerciante, que com a esposa Maria Vilani, comandam os Correios do distrito. Em Ouro Branco - uma homenagem à antiga fartura da lavoura de algodão, cujas maçãs explodiam dos botões para alegria dos lavradores, o antigo e o moderno, embora andem de mãos dadas, se contrastam. Pelas ruas do distrito, convivem maravilhas do mundo moderno como o carro e o telefone, e o cavalo, ainda tão usado por quem reside em fazendas e nos sítios. Mas o telefone nas residências das pessoas é uma das maravilhas mais recentes. Em frente a um velho barracão, um orelhão reina majestoso, e até há pouco tempo ele servia a todos os moradores do distrito. Mas em outubro de 2002, a Telefônica implantou uma torre em Ouro branco, e alguns moradores também instalaram telefones, e, assim, passaram a se beneficiar das benesses da comunicação do mundo contemporâneo dentro de suas casas. Antes do orelhão, porém, os moradores usavam desde 1980, um postinho telefônico, cujo prédio ainda resiste até hoje, na Rua São João, em frente à Igreja que leva o mesmo nome do santo. Também em Ouro Branco os habitantes contavam com uma Delegacia de Polícia até 1974, que acabou se transformando em uma moradia. A mesma coisa aconteceu com o primeiro Grupo Escolar do Distrito, onde, atualmente, reside a senhora Francisca Maria da Conceição, que não a sua idade exata, mas estima se que ela  tenha nascido em 1919. Ela veio de Catolé do Rocha, Estado da Paraíba, com apenas 19 anos. Aos 15 anos casou-se com o policial Francisco Cândido da Silva e tiveram seis filhos, todos morando fora de Ouro Branco, em Presidente Prudente, Campo Grande e em Rondônia. Dona Francisca, que apesar da idade é bastante ágil e lúcida, trabalhou nas lavouras de algodão e de amendoim, fazendo todo tipo de serviço e no corte de cana.

DOCUMENTOS ANTIGOS
O “Seo Viola” guarda desde 1957, documentos relacionados à coleta de dinheiro para a construção de muro, portão e pintura da cerca do Cemitério de Iubatinga (Ouro Branco). A comissão formada por moradores conseguiu arrecadar Cr$ 19.000,00 (dezenove mil cruzeiros) na época.
Gentílico: Caiabuense

GALERIA DE PREFEITOS

FRANCISCO BASTISTA PEDREIRA1955 à 1958
EZEQUIEL DE SOUZA FREIRE1959 à 1962
FRANCISCO BASTISTA PEDREIRA1963 à 1966
EDIVÁ DA SILVA RODRIGUES1967 à 1969
FRANCISCO BASTISTA PEDREIRA1970 à 1972
EDIVÁ DA SILVA RODRIGUES1973 à 1976
FRANCISCO BASTISTA PEDREIRA1977 à 1982
SEBASTIÃO MARINI1983 à 1988
JORGE ITIMURA1989 à 1992
JURANDIR MARQUES PINHEIRO01/01/1993 à 31/12/1996
ALICE ITIMURA01/01/1997 à 31/12/2000
JURANDIR MARQUES PINHEIRO01/01/2001 à 31/12/2004
JURANDIR MARQUES PINHEIRO01/01/2005 à 08/05/2008
JOÃO ANTONIO ALVES09/05/2008 à 31/12/2008
JOÃO ANTONIO ALVES01/01/2009 à 31/12/2012
DARIO MARQUES PINHEIRO01/01/2013 à 31/12/2016
DARIO MARQUES PINHEIRO01/01/2017 à 31/12/2020

OBS.: O Sr. FRANCISCO BATISTA PEDREIRA, foi o primeiro Prefeito de Caiabú.