HISTÓRICO


FUNDAÇÃO DO POVOADO
O povoado de Zacarias foi fundado em 24 de dezembro de 1948, em terras do município de Planalto, e parte do território desmembrado desse mesmo município.

CRIAÇÃO DO DISTRITO
Em 24 de dezembro de 1948, através do Decreto Lei Estadual nº 233, o povoado de Zacarias é elevado a categoria de Distrito, com a mesma denominação e pertencente ao município de Planalto.

CRIAÇÃO E EMANCIPAÇÃO DO MUNICÍPIO
Em 30 de dezembro de 1991, o Distrito, através do Decreto Lei Estadual nº 7644, é elevado à categoria de Município, com a denominação de Zacarias, e desmembrado do município de Planalto. Sua instalação verificou se em o1 de janeiro de 1993.

ZACARIAS: DE PRINCESINHA A RAINHA DO TIETÊ
Fundada em 1941 por Antônio Zacarias, à qual se deu seu nome por homenagem, VILA ZACARIAS, hoje município homônimo, permaneceu décadas como distrito de Planalto, que se distanciavam treze quilômetros. Foram 44 anos como distrito, e duas tentativas de emancipação, até o ato que culminou na separação de seu município sede. Sua primeira tentativa de emancipação , em abril de 1989, auxiliada pelo então Deputado Aloysio Nunes Ferreira Filho, de São José do Rio Preto, na qual o senhor Osvaldo Coelho Couto, morador e cidadão atuante, “encabeçador” da bandeira Pró-Emancipação, reuniu os documentos, e a assinatura de 100 moradores da Vila, aproveitando-se de uma Lei Provisória Estadual, que dava direitos a criar novos municípios, porém fora rejeitado pelo Tribunal Superior Eleitoral de Brasília, alegando a falta de Lei complementar por parte do Estado de São Paulo. Dos trinta e três municípios que deram entrada no pedido de emancipação, apenas dez tiveram o pedido acolhido, e Zacarias teria então adiado por mais um tempo, sua tão sonhada “liberdade administrativa”. Entretanto, a “Princesinha do Vale do Tietê” possuía amigos influentes, que acreditavam no projeto de emancipação da comunidade zacariense, formaram-se assim, um verdadeiro exército, e vários documentos foram sendo enviados á capital do estado, no intuito de pressionar sua separação do município de Planalto, mediante a criação de tal Lei. Documentos saídos de vários diretórios partidários de cidades da região, o PMDB de José Bonifácio e de Monte Aprazível fazem parte desta lista, e foi então em julho de 1990, que a Assembleia Legislativa de São Paulo aprovou a Lei 651/90, de autoria do Deputado Edinho Araújo, também da cidade de São José do Rio Preto, e dois dias depois, o Governador sancionou a Lei complementar. Vila Zacarias entraria então, com a sua segunda representação para a emancipação política na Assembleia do Estado, desta vez com 115 assinaturas, que seriam juntadas com a primeira representação que o Tribunal Superior Eleitoral havia rejeitado, dando assim, outro inicio á tramitação dos documentos, recebendo o parecer favorável do Departamento Cartográfico do Estado, e pela Comissão de Assuntos Municipais, podendo assim realizar seu plebiscito. Em uso da palavra, assistindo a reunião da Comissão de Justiça da Assembleia Legislativa, a seguinte comparação, entre o município e distrito, foi feita pelo empenhado senhor Osvaldo Coelho Couto: “É como a mesa farta da família, com tudo o que há de bom e de melhor, e o “totó”, sozinho e faminto, sempre por baixo desta mesa, á mercê de restos e migalhas, dos ossos que sobravam!”.
Em dezenove de maio de 1991, por ordem do Juiz Eleitoral da Comarca de Buritama, Estado de São Paulo, 1.105 pessoas estariam aptas a votar, das quais 985 compareceram, e 954 votaram o tão almejado SIM, e 17 pessoas votaram NÃO, e apenas uma pessoa absteve-se, e 13 votaram NULO. Tais resultados foram enviados pelo Tribunal Regional Eleitoral, á Assembleia Legislativa, para que os nobres Deputados pudessem apreciar e votar, o que foi realmente feito e autorizado pela Câmara Estadual, e sancionado pelo Governo. Porém, o governador vetou oito distritos, das quarentenas e três que queriam se emancipar, dentre eles, estava o pedido do distrito de Zacarias, devolvendo á Assembleia Legislativa, às representações destes oito distritos, para que a Casa de Leis pudesse então apreciar o veto, onde poderiam apoiar ou derrubar tal decisão. No dia 05 de março de 1992, em reunião mais uma vez, a Assembleia Legislativa, na presença de cinquenta e três Deputados derrubou o veto do senhor Governador, no qual, em 12 de março de 1992, promulgou a Lei criando o município de Zacarias.
“Fiquei muito feliz quando soube da decisão positiva,dando-nos á emancipação, senti uma imensa alegria no meu coração, tive a grande sensação de dever cumprido”, comentou o senhor Couto.
Nesta altura, Zacarias já estava apta a concorrer ás eleições municipais, em outubro de 1992, onde fora formada sua primeira administração, e embora todo o esforço para dar ao seu lar de coração e alma, a almejada emancipação, o senhor Osvaldo Coelho, não disputou nenhum cargo público. A administração fora composta então, pelo Prefeito Nilson Polizel, e do seu Vice-prefeito, José Wedekim, e toda a rede administrativa, aos poucos, teve que ser criada, pois não havia ali, nenhuma estrutura para os serviços básicos, na época apenas um simples Posto de Saúde, uma singela Agência dos Correios e um Posto Policial existiam.Os primeiros “homens públicos” da recém-criada cidade de Zacarias, tiveram a difícil tarefa de organizar, criar os departamentos, para assim conseguir dar o apoio e o crescimento, que tanto o povo desejava.
“Foi uma difícil tarefa, árdua e cansativa, porém com os esforços em conjunto da administração [Prefeitura] e da Câmara de Vereadores, conseguimos minimizar as dificuldades, e assim deixar uma base melhor para a administração que se seguiria” explicou o Prefeito Nilson Polizel.
Autor do Texto: João Paulo Soares - Jornalista/MTB 71.331/SP

ZACARIAS: DO CARRO DE BOI AO AVIÃO
O povoado começou com um mineiro, mas acabou se transformando na vila mais baiana das redondezas. Deu provas de ser uma terra arrojada, teve campo de pouso e um avião. Estamos falando de Zacarias, a cidade de Antônio Zacarias, mineiro da cidade de Passos, que aos 16 anos saiu de Minas Gerais, junto com a família, para tentar a vida em São Paulo. O pai, senhor Zacarias Silvestre, agricultor, acomodou toda a família o jovem Antônio, a mãe, e mais seis irmãos, num carro de boi, e partiu para a cidade de São João do Marinheiro, a 400 quilômetros de distancia. Naquela época, nos anos de 1940, a viagem durou dias. Vivendo basicamente da terra, a família Zacarias mudou-se, pouco tempo depois, para uma área encravada entre Buritama, Planalto e São Jerônimo (uma pequena vila que já desapareceu). Era o ano de 1941, e aquela área era só mato. Mas na beira do córrego da Ribada, onde se estabeleceu, tinha pasto para o gado e terra boa para o plantio de algodão, milho, feijão. Além disso, já existia por lá uma grande fazenda, a Caturama, que tinha a imensidão de dois mil alqueires, com uma grande área plantada e uma serraria em funcionamento. O senhor Antônio, o filho mais velho de seu Silvestre, ergueu a primeira casa, que existe até hoje, na entrada da cidade. E logo deu nome ao lugar de Zacarias, como uma justa homenagem á família pioneira,cujo precursor, o senhor Silvestre, ficou reconhecido pela ajuda que dava aos moradores locais. Foi ele quem construiu a primeira Igrejinha.Uma Igreja Evangélica, que ele tratou de chamar de “Igreja Independente”, hoje pertencente á Congregação Cristã do Brasil. Em 1942, um ano depois da sua fundação, começaram a chegara Zacarias, legiões de baianos interessados na agricultura e no trabalho, na serraria da fazenda, de onde saía à madeira para a construção das casas. E o que era um amontoado de gente, e de pequenas casas, acabou se transformando na vila Zacarias, que virou distrito de Planalto, através da Lei 233, de 24 de dezembro de 1948.
Mas Zacarias tinha um problema grave de acesso a centros mais desenvolvidos, comum ás novas vilas. A 13 quilômetros de Planalto, e a 14 de Buritama, não havia meios de transporte adequados, nem estradas em condições, para se chegar a essas localidades, onde poderiam ser encontrados, por exemplo, médico e farmácia. Ali, a jardineira só passava uma vez por dia. Não havia correio, nem telefone. Mas o povo de Zacarias resolveu esse problema de forma arrojada: se por terra estava difícil, a solução para facilitar o transporte, e a comunicação daquela gente tinha que vir de cima, do céu, literalmente. Enquanto distrito, Zacarias tinha um bom comércio: de lojas de armarinhos, enxovais, máquina de beneficiamento de arroz e “a mais barata”- como orgulhosamente se autoproclamava, a “Casa Amaro”, de seu ADOLFO AMARO, onde se compravam ferragens, latarias em geral,bebidas nacionais e estrangeiras. Aliás, é o filho de seu Amaro, que viveu em Zacarias até 1954, o COMANDANTE ROLIM, á época com quatro anos de idade, nascido em Nipoã, que anos mais tarde, veio a constituir a sua própria Companhia Aérea. Um Zacarias fundou a Vila, o outro, Zacarias Lourenço, décadas depois, foi o líder do movimento pela emancipação do distrito. Filho de Antônio Zacarias, seu fundador, Lourenço nasceu, cresceu e constituiu família em Zacarias, trazendo consigo uma exemplar história de luta política. Agro pecuarista, foi vereador durante vinte anos, (de 1972 a 1992) na então sede do município, Planalto. Na militância política, o senhor Lourenço percebeu que o futuro do lugar estava na emancipação. Assim, em 15 de março de 1.989, começou a reunir as adesões necessárias,para entrar com o processo de criação do município na Assembleia Legislativa. Foi o pontapé inicial de uma luta,que durou três anos sem trégua. Nos primeiros momentos, Lourenço tocava essa batalha sozinho. Mas com o tempo, outros companheiros vieram, como os senhores: Osvaldo Coelho Couto, Santiago Ribeiro Ferreira, Nilson Polizel e Antônio Cavalarin Primo. Depois do plebiscito, que obteve amplo apoio popular, e da aprovação pela Assembleia Legislativa, o entusiasmo da comunidade de Zacarias foi frustrado, quando o Governador vetou a criação do município. Nova luta, esta definitivamente vitoriosa, com a derrubada do veto pela Assembleia Legislativa, em 5 de março de 1.992. Em 01 de janeiro de 1993, toma posse o primeiro prefeito de Zacarias, o senhor Nilson Polizel, que na ocasião declarou:
“A Emancipação é uma grande medida em beneficio da cidade, nos deu autonomia necessária para poder construir, avançar, seguindo à tradição dos nossos pioneiros”.
Os Primeiros Representantes, eleitos em 1992
PREFEITO MUNICIPAL: Nilson Polizel, casado com a Senhora Aparecida Donizete Polizel.
VICE-PREFEITO: JoséWedequim.
CÂMARA MUNICIPAL: Vereadores – Mário do Socorro Gonçalves, José Xavier da Cruz, Abdala Ribeiro da Silva, Tales Augusto Zanin, Paulo César Wedequim, Claunício Wedequim, Gaudino Bonfim Neto, José Carlos Soares e José Cardoso da Silva.
ESTE TEXTO É DE AUTORIA DO DEPUTADO EDINHO ARAÚJO ,AUTOR DA LEI 651/90 DAS EMANCIPAÇÕES .
Gentílico:
Zacariense

GALERIA DE PREFEITOS

NILSON POLIZEL01/01/1993 à 31/12/1996
NAIM BERG OLIVA01/01/1997 à 31/12/2000
NILSON POLIZEL01/01/2001 à 31/12/2004
LOURENÇO ZACARIAS01/01/2005 à 31/12/2008
LOURENÇO ZACARIAS01/01/2009 à 31/12/2012
ARNALDO APARECIDO DIONISIO01/01/2013 à 31/12/2016
LUCINÉIA ZACARIAS01/01/2017 à 31/12/2020

OBS.: O Sr. NILSON POLIZEL, foi o primeiro Prefeito de Zacarias.