HISTÓRICO


A ORIGEM
Os primeiros habitantes da região de Salto Grande foram os índios das tribos Caiuás, Guaranis e Xavantes, que habitavam as vertentes do rio Paranapanema. Viviam às margens do caudaloso e lendário rio, onde o Estado de São Paulo se divide com o Estado do Paraná. As margens do rio eram revestidas de espessa mata, ainda virgem, com soberbas e frondosas perobas, em cujas copas altaneiras se destacavam as maritacas tagarelando e as arapongas, com o seu martelar, que podia ser ouvido à distância. Ali esses indígenas comungavam perfeitamente com esse cenário, vivendo em extrema harmonia com a natureza. Existem evidências de que em 1864, houve uma tentativa de aldeamento em Salto Grande do Paranapanema ou Cachoeira dos Dourados, pois em 31 de agosto de 1860, foi transcrita no Cartório de Registro de Imóveis de Santa Cruz do Rio Pardo, sob o número 1193, uma escritura de doação na qual consta como doadora,Antônia Maria Batista e seu filho, Joaquim Antônio Moreira, e como donatária, Nossa Senhora do Patrocínio.

FUNDAÇÃO DO POVOADO
No entanto, em 1856, o senhor José Teodoro de Souza já apresentara para registro, uma posse de terras que principiava em Salto Grande ou Cachoeira dos Dourados e terminava na embocadura do Tibagi. Foram então os desbravadores, como José Teodoro de Souza e o Coronel Pedro Silvio Pocay, que deram origem a um povoado na região. O senhor José Teodoro trouxe das terras de Minas Gerais seus familiares, parentes e amigos, e, reunindo homens fortes, com eles desceu o rio Turvo e o rio Pardo, chegando a Salto Grande. Por sua vez, o Coronel Pedro Silvio Pocay, homem modesto, imigrante italiano, que gostava de lidar com a terra, tratou logo de adquirir uma gleba de terras nas imediações do povoado. Como tinha um carisma especial no trato com as pessoas, conseguiu conquistar e dominar os habitantes do povoado, inclusive os remanescentes dos índios, que vinham da outra margem do rio Paranapanema, os quais os conquistava com pequenos presentes, com fósforos, toucinho, cachaça e outras bugigangas que eles aceitavam com inusitada alegria. Isso impunha respeito por todos que o conheciam, e também porque o Coronel Pocay tentava solucionar todos os problemas que lhe apresentavam. Com a ordem de exploração do rio Paranapanema, em 1886, dada pelo Conselheiro João Alfredo Correia, presidente da Província de São Paulo, chega à região uma comissão designada para a exploração, e com ela vem o engenheiro Teodoro Sampaio. Quando chegaram a essa região, encontraram algumas famílias no lugarejo, que viviam da caça, da pesca e do cultivo de produtos para sua subsistência. A região era quase deserto, com grandes matas, animais ferozes e índios. Assim começava a cidade de Salto Grande, com grandes desafios pela frente e com muito trabalho para ser colonizada e organizada.

CRIAÇÃO DO DISTRITO
Em 14 de abril de 1891, por força do Decreto Lei Estadual nº 155, foi criado o Distrito de Paz do Salto Grande do Paranapanema, tendo como governador do Estado, na época, o Dr. Américo Brasiliense de Almeida Melo. A influência do Coronel Pedro Silvio Pocay fez com que, em 19 de dezembro de 1906, Salto Grande fosse elevado à categoria de Vila.

CRIAÇÃO E EMANCIPAÇÃO DO MUNICÍPIO
O município de Salto Grande do Paranapanema foi criado somente em 27 de dezembro de 1911, através do Decreto Lei Estadual nº 1294, sendo desmembrado do município de Santa Cruz do Rio Pardo. O nome do município foi alterado em 08 de dezembro de 1922, através do Decreto Lei Estadual nº 1887, passando  a denominar-se apenas SALTO GRANDE.

ORIGEM DO NOME - PARANAPANEMA

Também chamado antigamente, de Paranapane ou Paraná Pane, de Pabaquario ou Paraquario, o nome Paranapanema é a junção de “PARANÁ”, que significa RIO em Tupi, e “PANEMA” que significa “Imprestável” ou “Sem Valor”. Talvez os índios tivessem dado essa conotação pelo fato da pouca navegabilidade ou escassez de peixes. O traçado do rio Paranapanema já aparecia em mapas do Brasil de 1574.

ORIGEM DO NOME
A palavra YUCUMÃ vem da língua tupi-guarani e significa “SALTO GRANDE”. O nome Salto Grande originou-se do fato de que na região existia uma grande queda d’agua, que se localizava exatamente em uma ilha do rio Paranapanema. Anteriormente, Salto Grande era conhecido como “Salto Grande do Paranapanema” ou “Cachoeira dos Dourados”. Só a partir de 1922, é que passou a chamar-se somente Salto Grande.

PIONEIRO - CORONEL PEDRO SILVIO POCAY
Imigrante italiano, natural da cidade da Calábria, nasceu em 25 de maio de 1854, filho de Agostinho Pocay e de dona BatrizPocay. Foi chefe político e figura pioneira na construção de Salto Grande. Casou-se em 1876, com a senhora Leopoldina Olympia da Rosa, natural de São Paulo, com quem teve quatro filhos. Em 1904, já em salto Grande, casou-se de novo, desta vez com Madalena Piemonte, com quem teve mais quatro filhos. Adquiriu uma grande extensão de terras, parte comprada e parte por troca, por meio de uma negociação feita com dona Maria de Jesus Nogueira. Em 1906, tendo Salto Grande sido elevada à categoria de Vila, o Coronel Pedro Silvio Pocay, exerceu importante papel em sua organização, pois tinha poderes e prestigio para indicar nomes aos postos chaves, e mandar destituí los de acordo com seu interesse, pois mantinha estreitos contatos políticos por parte dos poderes públicos estaduais da época. Faleceu em 8 de setembro de 1913, e foi enterrado no Cemitério de Salto Grande.

PIONEIRO – CORONEL VIRGÍLIO JOSÉ FERREIRA
Personalidade que figura entre os fundadores da cidade. Nasceu em Minas Gerais. Foi Agro pecuarista (fazendeiro em Ribeirão Azul), e casou-se com Ana Cândida Ferreira, com quem teve seis filhos: três homens e três mulheres. Foi Prefeito de Salto Grande no período de 1919 a 1921. O título de Coronel, dado aos fazendeiros, vem de uma Lei Regencial de 18 de agosto de 1831, quando se criou a Guarda Nacional (Regência Trina Permanente). O governo dava aos fazendeiros o título de coronel, o maior posto da Guarda Nacional. Isto serviu para fortalecer o poder dos grandes fazendeiros principalmente nos períodos de 1831 a 1922.

NOSSA SENHORA DO PATROCÍNIO - PADROEIRA DA CIDADE
Comemora se no dia 15 de setembro. Dois fatores podem ter exercido influência para se invocar a proteção de Nossa Senhora do Patrocínio, para a Paróquia de Salto Grande: o primeiro, segundo consta, Frei Pacífico de Monte Falco, trazido da Itália, em 1843, pelo Barão de Antonina, (possuidor de extensas Sesmarias no Norte do Paraná e Sul de São Paulo) foi encarregado de catequizar os índios Caiuás e Xavantes que viviam na região. Ele era devoto de Nossa Senhora, e, ao chegar ao local para a catequização, teria invocado o “patrocínio” da Santa, para à paróquia. O segundo fator foi que, dona Antônia Batista Moreira (doadora de meia légua de terras, em quadras, para a formação do patrimônio, conforme escritura de 31 de agosto de 1860) tinha a imagem de Nossa Senhora, que recebeu de um caçador com o nome de Patrocínio, e que a teria encontrado na ilha. Segundo registros, a primeira missa celebrada numa pequena capela erguida em homenagem a Nossa Senhora do Patrocínio, em Salto Grande, deu-se no ano de 1891.

ESTAÇÃO FERROVIÁRIA
A Estação Ferroviária de Salto Grande (administrada pela Estrada de Ferro Sorocabana) foi inaugurada em 12 de outubro de 1909, pelas mãos progressistas do engenheiro Dr. Alfredo Maia. Anos mais tarde, em 1956, um novo prédio foi construído, permanecendo em atividade até o ano de 1990. A partir de 16 de janeiro de 1999, os trens de passageiros deixaram de trafegar pela via.

A CHEGADA DO DESENVOLVIMENTO
A luz elétrica só foi instalada em Salto Grande em 1924, gerada por meio de uma caldeira a vapor que acionava um gerador, proporcionando energia. Com isso, foi possível a instalação de um Cinema num barracão de madeira, que funcionava na Rua Prudente de Morais, esquina com a Rua João Luiz da Costa. O cinema ainda era mudo. A energia estimulou a implantação de uma grande serraria de propriedade do senhor José Giorgi. O primeiro telefone chegou à cidade de Salto Grande na década de 1920, ligando-se a Santa Cruz do Rio Pardo e passando pela fazenda do Coronel Cândido. Foi instalado no bar do senhor Cabral, situado na Rua Prudente de Morais, e a primeira telefonista foi dona “Miloca”, filha do senhor Cabral e irmã do jogador de futebol João Cabral, do Salto Grande Futebol Clube. Após alguns anos, foi instalado o Centro Telefônico na Rua Rangel Pestana.

USINA HIDRELÉTRICA - LUCAS NOGUEIRA GARCEZ

A usina hidrelétrica de Salto Grande, hoje denominada Usina Governador Lucas Nogueira Garcez, foi construída pelo barramento do rio Paranapanema e de seus afluentes, rio Novo e o Ribeirão dos Bugres. A usina teve seu inicio em 1951 e finalização em 1958. Para que a usina fosse construída em Salto Grande, uma vasta área teve de ser sacrificada em nome do progresso. Lugares pitorescos da região, como cascatas, cachoeiras, a ponte do Canal do Inferno, o Castelo Branco, a ponte pênsil e varias outras belezas da cidade, foram cobertos pelas águas. Porém, a usina foi o grande passo para o progresso do município de Salto Grande e toda a região, pois, além da oferta de energia acelerar o desenvolvimento industrial e a eletrificação de atividades rurais, foi à primeira usina hidrelétrica planejada e executada com recursos nacionais em São Paulo. Salto Grande representou um marco significativo na história do desenvolvimento paulista e brasileiro, produzindo know-how, além de energia elétrica. Com a chegada da usina, além de levar energia elétrica à população do campo e da cidade, hoje o turismo é um grande incentivo para o nosso desenvolvimento, pois a Usina Hidrelétrica Lucas Nogueira Garcez, é um dos principais atrativos turísticos da cidade e fonte de recursos econômicos do município. Com a represa, que é uma das maiores atrações turísticas da cidade, as suas margens é utilizada como praia de areia natural, com aproximadamente 1.100 metros de extensão por 50 metros de largura. Com grandes opções de lazer, a cidade hoje é conhecida por “CIDADE PRAIA”.

PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARQUEOLÓGICO

Em dezembro de 1990, uma equipe da Universidade de São Paulo, chefiada por um arqueólogo, iniciou as escavações no “Cemitério Indígena” da Vila dos Pescadores, em Salto Grande. Encontrou verdadeiros tesouros com mais de mil anos de existência, onde os corpos de índios que viviam nessa região eram sepultados em urnas artisticamente trabalhadas. Com a ocupação antiga e intensa, a bacia do Paranapanema tornou-se rica em sítios arqueológicos. Piraju centraliza os estudos na região, por meio da Associação Projeto Paranapanema (PROJPAR). As pesquisas visam reconstruir as características do povoamento ao longo de 8.000 anos, e assim estudar seu modo de vida e seus costumes no local.
Fonte: Texto extraído da Revista: Conto, canto e encanto com a minha história... Salto Grande - CIDADE PRAIA
Organizadora: Fátima Galvanin
Colaboração: Prefeitura Municipal de Salto Grande
Gentílico: Salto-grandense

GALERIA DE PREFEITOS

JOSÉ FERRAZ DA ROSA31/03/1912 à 15/01/1915
CAP. ABELARDO O. GUIMARÃES15/01/1915 à 15/01/1917
MANSUETO MARTORELLO15/01/1917 à 15/01/1919
CEL. VIRGILIO JOSÉ FERREIRA15/01/1919 à 15/01/1921
CEL. FRANCISCO INÁCIO DA GAMA15/01/1921 à 15/01/1923
SIMPHORONIO FALCÃO15/01/1923 à 15/01/1925
CEL. JOAQUIM GABRIEL O. MACHADO15/01/1925 à 15/01/1927
CAP. PEDRO PINTO DA SILVA15/01/1927 à 15/01/1929
ANTONIO LOPES DA COSTA15/01/1929 à 15/01/1930
CEL. BERNARDO DE SOUZA MURSA01/10/1930 à 10/10/1936
ALBERTO SANTA LUCIA10/11/1936 à 11/02/1938
FRANCISCO DIONISIO DOS SANTOS10/11/1938 à 10/09/1941
SERAFIM DUARTE CORRÊA12/09/1941 à 11/02/1943
FRANCISCO DI GIÁCOMO12/02/1943 à 01/07/1945
ARNALDO POCAY01/07/1945 à 22/03/1947
ANSELMO ANDREOLLO22/03/1947 à 30/04/1947
AGOSTINHO RIBEIRO DE CARVALHO30/04/1947 à 29/05/1947
ANSELMO ANDREOLLO29/05/1947 à 15/07/1947
LEONE FERREIRA15/07/1947 à 31/12/1947
AFONSO FERRAZOLI01/01/1948 à 01/01/1951
WALTER RIBEIRO HOMEM01/01/1951 à 31/12/1955
AFONSO FERRAZOLI01/01/1956 à 31/12/1959
JOSÉ ADARINO SINICIO01/01/1960 à 31/01/1965
DIONISIO ANTONIO MOUCO01/02/1965 à 31/01/1969
GERALDO VIEIRA MARTINS01/02/1969 à 31/01/1973
VIRGILIO ALEXANDRE GUERRA01/02/1973 à 31/01/1977
JOÃO CARLOS POCAY01/02/1977 à 31/01/1983
FURTUNATO FIGUEIRA01/02/1983 à 31/12/1988
ASDRUBAL DE OLIVEIRA JUNIOR01/01/1989 à 31/12/1992
GILMAR ANTONIO MOUCO01/01/1993 à 31/12/1996
ASDRUBAL DE OLIVEIRA JUNIOR01/01/1997 à 31/12/2000
WALDEMAR CORRÊA01/01/2001 à 31/12/2004
WALDEMAR CORRÊA01/01/2005 à 31/12/2008
GERALDO APARECIDO BITTENCOURT MORAIS01/01/2009 à 31/12/2012
DIRCEU FELTRIN01/01/2013 à 31/12/2016
JOÃO CARLOS RIBEIRO01/01/2017 à 31/12/2020

OBS.: O Sr. JOSÉ FERRAZ DA ROSA, foi o primeiro Prefeito de Salto Grande.