Fundado em 1992 pelo embaixador e banqueiro Walther Moreira Salles (1912-2001), o Instituto Moreira Salles é uma entidade civil sem fins lucrativos que tem por finalidade exclusiva a promoção e o desenvolvimento de programas culturais. Seu acervo reúne cerca de 550 mil fotografias, 100 mil músicas (entre as quais, 25 mil gravações digitalizadas), uma biblioteca com 400 mil itens (quase 90 mil deles catalogados) e uma pinacoteca com mais de três mil obras. Entre as coleções desse conjunto, que são mantidas por meio das mais modernas técnicas de restauração e conservação, destacam-se as de Marc Ferrez, Marcel Gautherot, José Medeiros, José Ramos Tinhorão, Humberto Franceschi, Pixinguinha, Decio de Almeida Prado e Ana Cristina Cesar. O IMS possui três centros culturais, onde promove exposições, palestras, shows, ciclos de cinema e eventos. Na área editorial, além de livros e catálogos de arte, publica a série CADERNOS DE LITERATURA BRASILEIRA e duas revistas: a de ensaios serrote e a de fotografia Zum.

FOTÓGRAFOS E COLEÇÕES


Com mais de 550 mil imagens em seu acervo, o Instituto Moreira Salles possui o mais importante conjunto de fotografias do século XIX no Brasil, a maior parte delas dedicada ao Rio de Janeiro, então a capital do Império, e o melhor conjunto relativo à fotografia nacional da primeira metade do século XX. O acervo está reunido na Reserva Técnica Fotográfica do IMS, construída no mesmo terreno do seu centro cultural no Rio de Janeiro. Com cerca de 600 metros quadrados de área distribuídos em três pavimentos, trata-se do maior edifício do gênero no Brasil voltado à preservação, restauração, guarda e divulgação de acervos fotográficos. É também o mais atualizado tecnologicamente segundo padrões internacionais. Os principais temas do conjunto são: as transformações da paisagem urbana brasileira ao longo dos séculos XIX e XX; a arquitetura colonial e moderna do Brasil; o retrato na fotografia brasileira do século XIX e XX; a cultura e as festas populares nas diversas regiões do país – em registros que cobrem especialmente o período compreendido entre as décadas de 1940 e 1970 –; a urbanização e o desenvolvimento industrial decorrentes dos investimentos em energia elétrica realizados no início do século XX; o mundo do trabalho, urbano e rural; a paisagem natural. A disponibilização na internet dá a pesquisadores e interessados o acesso a uma seleção abrangente e representativa do acervo. O acesso ao conjunto integral de algumas coleções é possível também por meio de pesquisa presencial, diretamente nas áreas de consulta do IMS, com agendamento através do e-mail pesquisafotografia@ims.com.br.

PROJETOS ESPECIAIS


Com o intuito de promover um contato mais aprofundado com as exposições e obras do acervo do Instituto, iniciou-se em 2006 uma série de projetos especiais. Algumas escolas tornaram-se parceiras e passaram a vivenciar mensalmente com o mesmo grupo de alunos propostas elaboradas pela equipe do Educativo. O planejamento é desenvolvido em colaboração com o professor, o que determina o foco de interesse do projeto e interlocuções com o currículo escolar. Esses encontros são realizados não apenas no IMS e nos espaços da escola parceira, mas também em parques, outras instituições culturais, ou mesmo em lugares que se relacionem com o tema do projeto, como uma feira livre ou um estádio de futebol. Graças a seu caráter contínuo, a série Projetos Especiais permite o aprofundamento desejado, uma vez que as atividades acontecem com conteúdos e temáticas específicas vinculadas entre si e são sempre retomadas a cada encontro.